Susie Moore perdeu o pai quando tinha, apenas, dezanove anos. Passados onze anos, consegue concluir que, com um dos momentos mais duros da sua vida, aprendeu grandes lições.

A sua relação com o pai continua. Na vida diária, são muitos os passos em que se lembra dele e da sua influência. A consciência da inevitabilidade da morte tem, também, sido importante para Susie, como motivação para usufruir da vida em toda a plenitude.

Nos primeiros meses, após o falecimento do pai, Susie desenvolveu um caderno de memórias. Neste, relatou diversos momentos especiais que passou com o pai. De vez em quando, abre o caderno para revisitar outros tempos e, assim, reviver o pai.

A perda do pai levou Susie, também, a dar um maior valor a todos aqueles que, ainda, estão presentes na sua vida. Passar momentos junto daqueles que lhe são próximos é, assim, um factor de alegria diário.